DIGITAL INTERRUPTION (2012)

Instalação Interativa

 

I'

Digital Interruptions é uma instalação imersiva e interativa, que apropria-se do espaço para modificar

sua perspectiva inicial e transportar o espectador por espacialidades heterotópicas, criando assim novos

planos de realidade. Explora os processos de percepção e como eles organizam o ambiente à nossa volta.

Busca na imagem e no som a sua capacidade de transfiguração espacial.

Segundo Foucault as heterotopias têm por regra a capacidade de justapor num mesmo espaço, espaços

incompatíveis. Primeiro existem as utopias, espaços fundamentalmente irreais, sítios sem lugar real,

um espaço que é outro, um outro espaço real, tão perfeito, tão meticuloso, tão bem ordenado. As

heterotopias são as representações físicas das utopias. São os espaços das alteridades, que não

estão nem aqui nem lá, que são simultaneamente físicos e mentais, estes lugares são absolutamente

diferentes de todos os lugares que eles refletem e e se referem. Foucault usa a idéia de um espelho

como uma metáfora de dualidade e contradição, a realidade e a não-realidade de projetos utópicos.

Um espelho é a metáfora da utopia porque a imagem que você vê nele não existe, mas é também um

heterotopia porque o espelho é um verdadeiro objeto que forma o modo que você se relaciona à sua

própria imagem.

Digital Interruption
Digital Interruption

Digital Interruption
Digital Interruption

Digital Interruption
Digital Interruption

Digital Interruption
Digital Interruption

1/4